Última Atualização: 22 de setembro de 2022
Política de AML
A Dream Finance OÜ ("CoinsPaid" / "Empresa") é tolerância zero com a lavagem de dinheiro, o financiamento do terrorismo ou qualquer outra forma de atividade ilícita, e está comprometida com a implementação de políticas, procedimentos e controles moldados pelas melhores práticas da indústria e pelas normas mais eficazes de combate à lavagem de dinheiro aplicados na República da Estônia e em todo o mundo. Essas regras se aplicam a, sem exceção, todos os funcionários da Empresa, seus membros do Conselho, diretores, contratados e consultores.

O objetivo deste documento é fornecer aos parceiros, clientes, fornecedores, contratados, funcionários, reguladores, autoridades policiais e outras partes interessadas da Empresa uma visão geral de alto nível dos elementos e procedimentos do regime de conformidade AML/CTF da Empresa. De forma alguma este documento deve ser lido como um conjunto completo de todas as políticas, procedimentos e controles implementados pela Empresa para prevenção de lavagem de dinheiro, financiamento do terrorismo e outras formas de atividade ilícita.

Este documento e todas as políticas, processos e procedimentos subjacentes são preparados de acordo com as disposições, requisitos e recomendações da:

1. Lei de Prevenção à Lavagem de Dinheiro e ao Financiamento do Terrorismo da Estônia, conforme emendas ("Lei");
2. Lei de Sanções Internacionais da Estônia, conforme emendas; e
3. Orientação do FATF para uma abordagem baseada em risco para ativos virtuais e prestadores de serviços de ativos virtuais.

A Empresa opera de acordo com as leis da República da Estônia. A Estônia foi um dos primeiros países do mundo a introduzir requisitos de combate à lavagem de dinheiro ("AML") e ao financiamento do terrorismo ("CTF") para empresas envolvidas na troca de moeda virtual por moeda fiduciária e custódia de moeda virtual em 2017. Como resultado, cada entidade que preste serviços nomeados de ou dentro do território da Estônia deve solicitar autorização à Unidade de Inteligência Financeira da Estônia ("FIUE").

A Dream Finance OÜ está autorizada a prestar serviços de troca de moeda virtual por moeda fiduciária e serviço de carteira de moeda virtual (Licença Nº.: FVT000166) pela FIUE. As licenças podem ser validadas no site oficial do Ministério de Assuntos Econômicos e Comunicações da Estônia.

Como um negócio regulamentado, a CoinsPaid é obrigada a cumprir a Lei de Prevenção à Lavagem de Dinheiro e ao Financiamento do Terrorismo e a Lei de Sanções Internacionais, que exigem que a CoinsPaid identifique e verifique as identidades de seus clientes, faça o monitoramento contínuo de suas atividades, incluindo o monitoramento de transações, mantenha registros da atividade dos clientes e documentos relacionados por pelo menos cinco anos e relate certas transações às autoridades.



A Empresa entende por lavagem de dinheiro:

1. a conversão ou transferência de propriedade, sabendo que tal bem é derivado de atividade criminosa ou de um ato de participação em tal atividade, com a finalidade de ocultar ou disfarçar a origem ilícita do bem ou de ajudar qualquer pessoa que esteja envolvida na prática de tal atividade a escapar das consequências legais da ação dessa pessoa;
2. dissimulação ou encobrimento da verdadeira natureza, origem, localização, utilização, circulação ou propriedade de determinados bens ou de direitos relativos a esses bens, com conhecimento de que tais bens provêm de uma atividade criminosa ou da participação em uma atividade desse tipo;
3. a aquisição, posse ou uso de bens, sabendo, no momento do recebimento, que tais bens foram derivados de atividade criminosa ou de um ato de participação em tal atividade;
4. Participação, associação para cometer, tentativas para cometer e ajudar, ser cúmplice, facilitar e aconselhar a comissão de qualquer das ações indicadas nos pontos (a), (b) e (c).


O financiamento do terrorismo fornece fundos para atividades terroristas. Do ponto de vista jurídico, significa a disponibilização ou a cobrança de fundos, por qualquer meio, direta ou indiretamente, com a intenção de serem utilizados ou sabendo que devem ser utilizados, total ou parcialmente, para a prática de qualquer das infrações de acordo com os Artigos 1 a 4 da Decisão-Quadro 2002/475/JAI do Conselho. A atividade terrorista tem como objetivo principal intimidar uma população ou obrigar um governo a fazer algo. Por exemplo, matar intencionalmente, prejudicar gravemente ou colocar em perigo uma pessoa, causando danos materiais substanciais que podem prejudicar seriamente as pessoas, ou que interfiram seriamente ou interrompam serviços, instalações ou sistemas essenciais.



Abordagem Baseada em Risco e Avaliação de Risco

A CoinsPaid realizará uma due diligence baseada em risco e coletará informações e documentação sobre cada cliente em potencial, a fim de avaliar o perfil de risco associado. Os funcionários da Empresa terão cuidado, atuarão de forma diligente e com bom senso na determinação do caráter geral e da natureza de todos os clientes. A CoinsPaid conduz seus negócios de acordo com os mais altos padrões éticos e não entrará em relações comerciais com pessoas físicas ou jurídicas que possam afetar adversamente a reputação da Empresa e comprometer o setor de moeda virtual.

Para fins de identificação, avaliação e análise dos riscos de lavagem de dinheiro e financiamento do terrorismo relacionados às suas atividades, a Empresa elabora uma avaliação de risco, levando em consideração as seguintes categorias:

1. Risco do cliente;
2. Risco geográfico;
3. Risco do produto; e
4. Risco do canal de entrega.

Após o risco avaliado e atribuído a um determinado cliente, dependendo do grau de risco, ele deve ser revisado periodicamente após o conhecimento do cliente e de sua atividade.



Diretor de Compliance

O conselho de administração da Empresa nomeará um Diretor de Compliance, que atua como uma pessoa de contato da FIUE e executa os deveres e obrigações de AML/CTF da Empresa. Um Diretor de Compliance se reporta diretamente ao conselho de administração e tem a competência, os meios e o acesso às informações relevantes em todas as unidades estruturais da Empresa.

Somente uma pessoa que tenha a educação, adequação profissional, as habilidades, qualidades pessoais, experiência e reputação impecável necessárias para o desempenho das funções listadas abaixo pode ser nomeada como um Diretor de Compliance. A nomeação de um Diretor de Compliance é coordenada com a FIUE.

Os deveres de um Diretor de Compliance incluem, entre outros:

1. organização da coleta e análise de informações referentes a transações ou transações incomuns ou circunstâncias suspeitas de lavagem de dinheiro ou financiamento do terrorismo, que se tornaram evidentes nas atividades da Sociedade;
2. informar a FIUE em caso de suspeita de lavagem de dinheiro ou financiamento do terrorismo;
3. apresentação periódica de declarações escritas sobre o cumprimento dos requisitos decorrentes da Lei ao conselho de administração da Sociedade;
4. desempenho de outros deveres e obrigações relacionados ao cumprimento dos requisitos da Lei.



Regulamento Interno e Regras de Controle Interno

A Empresa desenvolveu e implementou regras de procedimento que permitem a efetiva mitigação e gestão de riscos relacionados à lavagem de dinheiro e financiamento do terrorismo, que são identificados na avaliação de risco realizada de acordo com a abordagem baseada em risco da Empresa descrita acima.

Cada funcionário da Empresa deve aderir estritamente às regras de procedimento aqui estabelecidas.

O regulamento interno é constituído pelo seguinte:

1. Um procedimento para a aplicação de medidas de diligência relativamente a um cliente, incluindo um procedimento para a aplicação de medidas de diligência simplificadas e reforçadas;
2. um modelo para identificação e gestão de riscos relacionados a um cliente e suas atividades e a determinação do perfil de risco do cliente;
3. a metodologia e instruções nas quais a Empresa tem uma suspeita de lavagem de dinheiro e financiamento do terrorismo ou uma transação ou circunstância incomum está envolvida, bem como instruções para executar a obrigação de relatório;
4. O procedimento de conservação e disponibilização dos dados;
5. instruções para identificar efetivamente se uma pessoa é uma pessoa politicamente exposta ou uma pessoa politicamente exposta local sujeita a sanções internacionais.

A Empresa aplica as seguintes medidas de due diligence:

1. Identificação de um cliente e verificação das informações apresentadas com base em informações obtidas de uma fonte fiável e independente, incluindo a utilização de meios de identificação eletrônica e de serviços de confiança para transações eletrônicas;
2. identificação do beneficiário efetivo e, com a finalidade de verificar sua identidade, tomar medidas na medida em que permita que a Empresa se certifique de que sabe quem é o beneficiário efetivo e entenda a estrutura de propriedade e controle do cliente;
3. compreensão das relações comerciais e, quando relevante, coleta de informações sobre elas;
4. reunir informações sobre se uma pessoa é uma pessoa politicamente exposta, seu membro da família ou uma pessoa conhecida como associada próxima;
5. monitoramento de uma relação comercial.



Due Diligence Simplificada

A Empresa pode aplicar medidas de due diligence simplificada ("SDD") quando uma avaliação de risco preparada com base nestas regras de procedimento identificar que, no caso da atividade econômica ou profissional, campo ou circunstâncias, o risco de lavagem de dinheiro ou financiamento do terrorismo é menor do que o normal.

Antes da aplicação das medidas de SDD a um cliente, um funcionário da Empresa estabelece que o relacionamento comercial, transação ou ato é de menor risco e a Empresa atribui à transação, ato ou cliente um menor grau de risco.

É permitida a aplicação de medidas de SDD na medida em que a Empresa assegure o monitoramento suficiente de transações, atos e relações comerciais, de modo que seja possível identificar transações incomuns e permitir a notificação de transações suspeitas de acordo com este regulamento interno.



Due Diligence Aprimorada

A Empresa aplica medidas de due diligence reforçada ("EDD") a fim de gerir e mitigar adequadamente um risco superior ao habitual de lavagem de dinheiro e financiamento do terrorismo.

As medidas EDD são aplicadas sempre quando:

1. Após a identificação de uma pessoa ou verificação das informações apresentadas, existem dúvidas quanto à veracidade dos dados apresentados, à autenticidade dos documentos ou à identificação do beneficiário efetivo;
2. o cliente é uma pessoa politicamente exposta, exceto para uma pessoa politicamente exposta local, seu membro da família ou um associado próximo;
3. O cliente provém de um país terceiro de alto risco ou do seu local de residência ou sede num país terceiro de alto risco;
4. o cliente é de um país ou território que, de acordo com fontes credíveis, como avaliações mútuas, relatórios ou relatórios de acompanhamento publicados, não estabeleceu sistemas AML/CTF eficazes que estejam de acordo com as recomendações do Grupo de Ação Financeira, ou que seja considerado um território de baixa taxa de imposto.

A Empresa aplica medidas EDD também quando uma avaliação de risco preparada com base nessas regras identifica que, no caso da atividade econômica ou profissional, campo ou fatores, o risco de lavagem de dinheiro ou financiamento do terrorismo é maior do que o normal.



Definição e Triagem de PEP

As Pessoas Politicamente Expostas ("PEP") (bem como suas famílias e pessoas conhecidas por serem associadas próximas, conforme descrito abaixo) devem estar sujeitas a um escrutínio aprimorado pelas entidades relatoras. Isso ocorre porque as normas internacionais emitidas pela Força-Tarefa de Ação Financeira reconhecem que uma PEP pode estar em posição de abusar de seu cargo público para ganho privado e uma PEP pode usar o sistema financeiro para lavar o produto desse abuso de cargo.

PEP significa uma pessoa física que é ou foi encarregada de funções públicas proeminentes, incluindo:

1. Chefe de Estado;
2. chefe de governo;
3. ministro e vice ou vice-ministro;
4. Um membro do parlamento ou de um órgão legislativo similar;
5. um membro de um órgão de direção de um partido político;
6. um membro de um tribunal supremo;
7. um membro de um tribunal de contas ou do conselho de um banco central;
8. um embaixador, um encarregado de negócios e um alto oficial das forças armadas;
9. Membro de um órgão de administração, de direção ou de fiscalização de uma empresa pública;
10. um diretor, diretor adjunto e membro do conselho ou função equivalente de uma organização internacional,

As PEPs não incluem funcionários de nível médio ou mais subalternos.

Membro da família de uma PEP significa o cônjuge, ou uma pessoa considerada equivalente a um cônjuge, de uma PEP ou PEP local; um filho e seu cônjuge, ou uma pessoa considerada equivalente a um cônjuge, de uma PEP ou PEP local; um pai de uma PEP ou PEP local.

Pessoa conhecida por ser associada próxima de uma PEP significa uma pessoa física que é conhecida por ser o beneficiário efetivo ou por ter a propriedade efetiva conjunta de uma pessoa jurídica ou de um acordo legal, ou qualquer outra relação comercial próxima, com uma PEP ou uma PEP local; e uma pessoa física que tem a propriedade exclusiva de uma pessoa jurídica ou arranjo legal que é conhecida por ter sido criada para o benefício de fato de uma PEP ou PEP local.



Triagem de sanções

Lidar com pessoas contra as quais as sanções internacionais impostas representam um grande risco para a Empresa, seus diretores, executivos e proprietários.

A Empresa realizará a triagem de sanções de seus clientes nas mesmas regras de correspondência, como para a triagem da PEP.

A Empresa realizará triagem, no mínimo, contra as seguintes listas de sanções:

1. Sanções da ONU;
2. Sanções da UE;
3. Sanções administradas pelo Gabinete de Implementação de Sanções Financeiras ("OFSI-UK")
4. Sanções administradas pelo Gabinete de Controle de Ativos Estrangeiros ("OFAC-US");
5. Sanções impostas sob a Lei Internacional de Sanções.

Todas as correspondências (acertos verdadeiros) serão encaminhadas a um Diretor de Compliance para ação e processamento adicionais.



Monitoramento e Relatórios de Atividades Suspeitas

Quando a Empresa identificar uma atividade ou fatos cujas características se refiram ao uso de recursos criminais ou financiamento do terrorismo ou outras infrações criminais ou uma tentativa dos mesmos ou em relação aos quais a Empresa suspeite ou saiba que constitui lavagem de dinheiro ou financiamento do terrorismo ou a prática de outra infração criminal, um Diretor de Compliance da Empresa deve relatá-lo à FIUE imediatamente, em até dois dias úteis após a identificação da atividade ou fatos ou após a suspeita.

A Empresa e todos os seus funcionários, diretores e conselheiros estão proibidos de informar uma pessoa, seu beneficiário efetivo, representante ou terceiro sobre um relatório enviado à FIUE, a intenção de enviar tal relatório, bem como sobre o início de um processo criminal.



Retenção dos Dados

A Empresa deve reter os documentos e informações que serviram para identificação e verificação de clientes, não menos de cinco anos após o término da relação comercial.

A Empresa implementa as regras necessárias para a proteção de dados pessoais mediante a aplicação dos requisitos decorrentes de suas obrigações aqui estabelecidas.

A Empresa está autorizada a processar dados pessoais recolhidos aquando da implementação destas regras apenas para efeitos de prevenção de branqueamento de capitais e financiamento do terrorismo e os dados não devem ser adicionalmente processados de uma forma que não cumpra a finalidade, por exemplo, para fins de marketing.



Treinamento

O Diretor de Compliance deve garantir que os funcionários da Empresa estejam plenamente cientes de suas obrigações legais sob o regime de AML/CTF, introduzindo um programa completo de educação e treinamento dos funcionários.

O momento e o conteúdo do treinamento fornecido são determinados de acordo com as necessidades da Empresa. A frequência do treinamento pode variar dependendo das alterações dos requisitos legais e/ou regulamentares, dos deveres dos funcionários, bem como de quaisquer outras mudanças no modelo de negócios.

O programa de treinamento visa educar os funcionários da Empresa sobre os últimos desenvolvimentos na prevenção à lavagem de dinheiro e ao financiamento do terrorismo, incluindo os métodos práticos e as tendências utilizadas para esse fim.



Cooperação e Troca de Informações

A Empresa coopera com as autoridades de supervisão e aplicação da lei na prevenção à lavagem de dinheiro e ao financiamento do terrorismo, comunicando assim as informações disponíveis para a Empresa e respondendo a perguntas dentro de um prazo razoável, seguindo os deveres, obrigações e restrições decorrentes da legislação. Para quaisquer solicitações relevantes, entre em contato conosco em compliance@coinspaid.com. Tenha em atenção que, caso você o órgão de aplicação da lei fora da União Europeia, poderá ser aplicado o procedimento previsto no Tratado de Assistência Judiciária Mútua (MLAT).
© 2022 CoinsPaid
Dream Finance OU (Reg No. 14783543)
Address: Kai 4, 10111, Tallinn, Estonia
VAT: EE102212301
License No.: FVT000166.